PRODUTOS DE BELEZA GANHAM FORÇA NA GÔNDOLA E NA CESTA DE COMPRAS

Da gôndola para a nécessaire, os produtos de beleza, cuidados e higiene pessoal representam um mercado altamente promissor no Brasil. Segundo dados do Instituto Euromonitor, 6,9% de participação no mercado mundial de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC) em 2017, com crescimento de 0,3% em relação ao ano anterior. O país também continua sendo o quarto maior mercado do setor, atrás apenas dos Estados Unidos, China e Japão. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), na América Latina, o Brasil é o principal mercado, com 49,1% de participação. Ainda de acordo com a entidade, o setor de beleza foi um dos mais movimentados em 2018 e obteve um crescimento de 2,77% em relação a 2017. “Após um período desafiador, o ano de 2018 foi surpreendente de forma geral. A expectativa para 2019 é de um crescimento nominal das vendas de 4,1%, a R$ 50,43 bilhões, segundo a Abihpec.

Outro dado interessante sobre esse mercado vem do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que aponta que as vendas de cosméticos crescem aproximadamente 13% ao ano no país. “A pesquisa ainda revelou que o brasileiro gasta mais com beleza do que com comida. Brasileiros com renda entre dois e dez salários mínimos gastam 1,3% do que ganham mensalmente para cuidar dos cabelos e das unhas. É quase o dobro da despesa com arroz e feijão (0,68%). Os gastos com xampu, condicionador, maquiagem (1,46 do salário) chegaram a ser quase a mesma coisa que se gasta com carne (1,73%)”, revela Leonardo Rezende, CEO da Nutriex. Ele ainda conta que, de acordo com dados do Euromonitor, até 2020, o Brasil deve ter um aumento acumulado que chegará a 14,3%, uma média de crescimento de 2,7% a cada ano, alcançando novamente a 3ª posição no ranking mundial.

Categorias destaque

Dentre as categorias que se destacam no universo dos desejos e necessidades de cuidados femininos, os cuidados com a pele estão em alta. De acordo com uma pesquisa da Mintel estima-se que até 2021, o mercado cresça uma média de 10% ao ano, atingindo vendas de 3,77 bilhões de reais.

Para Rezende, acompanhar pesquisas e desenvolver ferramentas online para estar próximo ao consumidor é o principal termômetro sobre o comportamento das categorias. “Uma análise feita pelo Google mostra que 70% das pessoas se informam sobre cosméticos na internet, antes de consumir os produtos, por isso, está cada vez mais complexo identificar o seu consumidor final”, conta.

Fonte: Abihpec com dados do Euromonitor